terça-feira, 22 de janeiro de 2013

O egoìsmo que vem do berço

Italianos vivem reclamando do egoismo tipicamente italiano. Vivem resmungando que os italianos deveriam ser mais unidos, menos egoistas, mais solidarios... e quase sempre usam os americanos como exemplo. E se para eles os americanos sao sinonimos de solidariedade, dà para imaginar em que nivel de egoismo nos encontramos por aqui, nè?

Mas aì, enquanto eles sonham com uma Italia melhor e mais unida... olha como eles criam os filhos: praticamente como semideuses - que podem fazer tudo, que podem ter tudo, que sò eles importam, sò eles sao o centro das atençoes, que sò sobre eles girao mundo, o governo, o universo e  toda a eternidade.

As crianças italianas crescem aprendendo que sao o centro do mundo e que este deve servi-las. Com tanto egocentrismo na infancia como è que estes pais esperam que estas crianças se tornem adultos solidarios? Eh como plantar tomates e esperar colher algodao!

Por exemplo, uma das coisas que mais odeio quando decoro lojas è quando as crianças querem bexigas (pra quem nao è do Paranà, bexiga = baloes). Nas festas isso nao acontece porque quando eu decoro o salao eu estou sozinha... mas nas lojas os clientes sempre estao entrando e saindo. Aì entra a criança com a mae, pai ou avo, ela chora (sim, porque criança italiana nao sabe pedir, sò sabe chorar) que quer uma bexiga e aì o adulto chega em mim, estufa o peito e dà a ordem:

- ELA QUER uma bexiga!

Assim mesmo... na maior prepotencia possivel. Nem um "por favor", nem um "Serà que voce poderia"... NAO NAO NAO. Sò uma frase seca e arrogante: "ELA QUER uma bexiga!"... Como se o simples fato da criança querer uma bexiga significasse minha OBRIGAçAO de dar!

Eu NUNCA dou. A criança chora, a mae reclama, eu faço publicidade negativa, perco o cliente... nao importa... mas NAO DOU, mesmo!

Primeiro, nao tenho obrigaçao de dar nada, sou contratada para decorar a loja, nao para distribuir baloes. Segundo, se a pessoa quer um balao deve me pedir por favor, porque eu nao tenho obrigaçao de dar nada pra ninguem. E terceiro e mais importante: a criança tem que saber que o mundo nao gira em torno dela, senao quando ela crescer vai aprender isso da pior forma possivel.

O pior caso aconteceu em uma padaria: eu estava decorando a porta quando a criança entrou e começou a chorar que queria um balao e a mae - que viu minha sacola com baloes -, disse ao filho: "PEGA ALI!" sem nem ao menos me perguntar se podia. Como diz o Henry: "MA STIAMO SCHERZANDO"?? (tà brincando)? Eu virei o bicho, nao suporto esse tipo de coisa.

- Desculpe, minha senhora, mas esses baloes sao sò para decoraçao.
- Ah, mas um nao vai fazer diferença, nè?
- Vai porque eu trouxe sò o numero necessario de baloes, e depois a senhora nem ao menos me pediu.
- Mas a dona da loja è minha amiga...
- Sim, mas eu sou paga para fazer a  decoraçao, nao para distribuir baloes
- Entao me venda um! (Ela disse isso com a maior prepotencia possivel, me MANDANDO vender)
- Eles nao estao a venda e nao sao apropriados para crianças.

Eh claro que os baloes sao apropriados, mas eu sei que quando se coloca um "pericolo" em alguma coisa, as maes italianas se cag.... de medo. Foi golpe baixo, eu sei, mas que me condene quem nunca de voces teve um europeu te mandando fazer alguma coisa sò pelo simples fato de ele ser europeu e voce, sudamericana.

A criança ficou chorando, a mae ficou brava e a cliente nunca mais me ligou. To nem aì ò, a cliente era uma chata mesmo. E depois... se voce quer criar seu filho como um rei voce tem todo o direito de faze-lo, sò nao pense que as demais pessoas tenham a obrigaçao de fazer o mesmo.

Sei que era sò um balao e um balao nao me custa nem 0.05 centavos... mas è uma questao de principios. Quer dar um balao ao seu filho? Entao me peça ou vai no mercado comprar um, mas nao ache que eu tenho obrigaçao de dar porque eu nao tenho.

Outro exemplo: Quando eu era au-pair, eu cuidava de dois irmaos: um menino de 9 e uma menina de 7 anos. Um dia fomos levar uma amiguinha deles embora e essa amiguinha morava em cima da lanchonete dos avos. A menina que eu cuidava (vou chamà-la de M.) viu que ali tinha sorvetes e pediu um à senhora (vò da amiguinha). Era meu segundo dia e, como os pais das crianças tinham dito que eu nao deveria nunca usar meu dinheiro para comprar coisas pras crianças porque nos lugares onde eles compravam coisas o pagamento era feito mensalmente, eu pensei que ali fosse o mesmo caso. Quando eu estava saindo, a senhora disse:
"Voce nao vai pagar?"
A M. me olhou curiosa e perguntou:
"Mas eu TENHO que pagar?"
E a senhora ficou furiosa COMIGO, gritando sarcasticamente:
"Eu nao sei... me diz a senhora se a M. precisa pagar!"
Eu tive que dizer que nao tinha dinheiro (o que era verdade) e que no outro dia eu o levaria. Quando os pais da menina chegaram eu contei o ocorrido, eles me deram o dinheiro mas - pra minha surpresa - nao explicaram à M. que nao se pode pegar coisas nas lojas sem ter dinheiro pra pagar.

E a menina continuou fazendo a mesma coisa sempre que ìamos no mesmo lugar... atè que um dia eu estava de TPM e nao deixei ela pegar e ela aprontou um barrcao.
De noite, quando os pais chegaram, ela foi contar o ocorrido e eu mantive minha posiçao: "Se voces querem que ela coma o sorvete da fulana, devem dar o dinheiro e ensinar que ela deve comprar."
E sabem o que mais me assustou? Eh que os olhos dos pais se iluminaram, tipo quando acontece aquele momento em que a gente pensa "Nossa... è verdade... por que eu nao pensei nisso antes?"
Entao, isso me assustou porque eu vi que eles TAMBEM nunca tinham se dado conta que a filha precisava pagar pelas coisas! Achei isso um absurdo! Vi que essa coisa de "crianças semideuses" vai muito alèm e è muito mais profundo do que eu pensava.

Os pais nunca tinham parado pra pensar que a senhora da venda nao tinha menhuma obrigaçao de dar nada de graça pra menina!

E esse è sò um exemplo... mas eu poderia escrever posts e mais posts contando as 'absurdidades' que eu encontrei no modo italiano de criar os filhos.

Bom, mas isso foi sò um desabafo, acho. Eh que estou morrendo de raiva de uma cliente italiana babaca que me fez mandar quase 500 fotos por email, depois encomendou tres esculturas dificilissimas de fazer, e aì, meia hora antes da entrega ela me liga dizendo que a filha - de 9 anos - tinha mudado de ideia e queria outro tema para festa. Entao a criatura queria que eu "mudasse" a escultura... gente sao baloes! Como eu posso mudar baloes?? Aì a imbecil da mae disse que entao nao queria mais, desligou o telefone na minha cara e quando eu liguei de volta ela sò respondeu:
- Eu nao quero mais tuuuuu-tuuuuu-tuuuuuuu
Como assim minha senhora?? E as horas que perdi pra fazer o seu pedido??
Eh... nao importa. Tudo que importa è que a filha dela mudou de idèia... e o universo deve se adaptar!

12 comentários:

Sandra disse...

PQP!!! Que ódio dessa mãe! Se ela encomendou os balões não tem como fazê-a pagar uma taxa pela desistência ou algo assim?
Pelo pouco que eu vi das mães italianas, percebi que elas quase sempre são idolatradas pelos filhos, rs... Uma conhecida minha casou com um italiano e eu fico bege com os absurdos que ela conta sobre o comportamento do marido com a mãe, rs.. Trabalhar com criança por ai deve ser punk, rs... Bjs

Elvira disse...

Nossa, que horror.
Tenho vários primos italianlos e que ainda são crianças e alguns deles são super mimados. Não chegam a pegar cpoisas sem pedir mas os pais fazem tudo por eles.
Eu que não tenho muita paciência com crianças, acho que já tinha esganado várias.
Hahaha.

Boa sorte com o seu trabalho.

Bjs.
Elvira

Renata disse...

Eu fico revoltada qdo esculto, leio essas his´torias, mas aí qdo eu vejo essas coisas e comento que eu acho um absurdo o povo fala que é pq eu não tenho filho.
Troféu abacaxi pra essa mãe sem noção.
Bjosss

Gisa disse...

Acho que nao è uma questao de ter ou nao filhos, Re. Eu sou mae e acho tudo isso um absurdo. Acho que è mais uma questao de respeito ao proximo, educaçao e principios... Coisas meio esquecidas no mundo de hoje. Acho que nasci na dècada errada.... hahaha

Flor disse...

Tenho que aplaudir, peraê, tenho que aplaudir DE PÉ! Amei o lance da padaria! Menina, devagarzinho vou descobrindo esses comportamentos italianos... feliz por ter blogs como o seu para ajudar nesse processo de adaptação! Beijos! ( Feliz 2013! - ainda é Janeiro, aceita vai! ) :-)

Ana Carolina disse...

Sei bem o que è isso!!!
A retardada da minha sogra, teve uma filha de um segundo casamento...20 anos de diferença pro meu marido. O que aconteceu?
1 - Ela fez a filha pra segurar o marido novo, mas nao tem paciencia com a menina...
2 - Nao sabe dizer nao pra uma menina de 12 anos, que manda ela a fare in c... de 5 em 5 minutos! Nunca tinha visto isso na minha vida... qualquer favelado è mais educado que essa garota.
3 - Chora miseria, pede dinheiro pra gente para ela pagar as contas, ai pega o dinheiro do filho e compra Iphone de 600 euros pra garota, All Star Converse de 100 euros TODOS os meses (isso mesmo!), roupas novas TODAS as semanas!
Falei um monte pra ela sobre isso, sobre o que sao valores morais, que ela nao passava isso para a filha, pois nem ela mesmo os possuia! (peguei pesado sei... mas ao menos resolvi meu problema: to com o coraçao leve e o nosso bolso agora està INTOCAVEL!!!)
Bjsss e apoiadissima 100%... odeio isso nos italianos tb!

Cambaxirra disse...

"se voce quer criar seu filho como um rei voce tem todo o direito de faze-lo, sò nao pense que as demais pessoas tenham a obrigaçao de fazer o mesmo."

Concordo 1000% com você, fala sério. E outra, além da prepotência, a falta de educação, né? Não deve ser fácil, eu por aí seria conhecida como a louca dos balões, hahaha. Imagine!
E nem vou comentar nada sobre a cliente que, além de cancelar o pedido em cima da hora, não te pagou. (tô com TPM...)

Beijo!

Fulana disse...

hahahahaha qdo visitei meus pais aí, minha mãe disse assim: aqui as crianças são tipo as brasileiras, aquele maior escandalo... esquece a ideia de que crianças francesinhas fofinhas e educadas existem!
mas acho que teria que estar muito inspirada para negar uma bexiga e ainda fazer a discussao com toda a familia. rs

Ge Bolognani disse...

Caraca! Sem palavras... nunca pensei que pudessem ser tão mimados assim. Que mãe sem noção, sem educação. Que horror!

Luana disse...

"pra quem nao è do Paranà, bexiga = baloes" - a va que eh so no Parana que se fala bexiga... hahahah... Gisa, eu nunca, NUNCA, falei baloes...

E meu... comoassimbial a mulher mandou a crianca pegar a BEXIGA (haha) na sacola? Sem te pedir? Ta louca, ne?

E meu, nao gosto de ficar criando problemas, nem criticando os outros, mas "qualquer favelado è mais educado que essa garota." Que? Entao favelado eh sem educação? Imagino que nao foi essa a intenção do comentário, mas olha, pobreza nao esta associada a boa ou ma educação, vide a quantidade de criancinhas bem de vida super mal criadas.

Jade disse...

Nossa, to revoltada! Ainda bem que na alemanha, as crianças são criadas como seres independentes, aos 8 anos já vão pra escola sozinhas, fazem serviços em troca de mesada etc... não teria paciencia com pessoas assim!

Beijos!

Eliana disse...

Gisa, talvez a coisa na Itália seja até mais cultural, mas de uma maneira geral parece que é assim que anda funcionando, no mundo todo. Crianças sendo criadas com aquela imagem de "eu tudo posso, eu sou especial, eu quero e tenho, eu mereço". São poucos os pais sensatos que lidam com seus filhos com pulsos firmes, não falo em castigos e colocando medo, mas no sentido de impor limites, respeito e valores. Não é à toa que vemos uma sociedade cada vez mais individualista.

By Gisa